Percepção 20 – Manhã de 26/03/2013

O dia amanheceu nublado, mas as ruas e calçadas estavam secas. Sem chuva nessa madrugada. A paisagem é a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu carregado de nuvens e quase nenhuma brisa. Mas podemos ver pequenos trechos de céu azul por trás da grossa camada de nebulosidade. Temperatura de 24,8C, às seis e quarenta e quatro dessa sétima manhã de outono.

A passarada, a exemplo das últimas manhãs, esteve muito discreta. Cantos e trinados distantes, dos telhados da vizinhança. Ouvi meu amigo bem-te-vi à distância.

Ninguém na pracinha para observar a orquídea solitária, enquanto um pequeno helicóptero cruzou o céu de leste a oeste, provavelmente sobrevoando a orla marítima em direção ao Recreio dos Bandeirantes…

Diversos lápis de cor ao lado da janela do quarto da minha filha esperaram em vão por alguém que os utilizasse para escrever alguma mensagem importante… Uma carta de amor? Um desenho colorido?

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave nos reflexos da varanda no vidro da porta da sala. Nas reflexões da manhã vieram à lembrança os versos de um haicai postado no ano passado, na Garrafa 336, em outro Blog:

flores no jarro,
arrancadas da terra!
saudades do campo…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Orquídea solitária

Sobrevoo de helicóptero

Lapis coloridos

Reflexos da varanda

Anúncios

Percepção 10 – Manhã de 16/03/2013

O dia amanhece, depois de mais uma noite chuvosa, ainda com uma grande cobertura de nuvens no quadrante sudeste, mas com o céu mais limpo no quadrante sudoeste. Apesar do parapeito da varanda ainda molhado, prenúncio de um dia com bom tempo. Temperatura de 25,8C, às seis e cinquenta e cinco da manhã.

A passarada movimenta a folhagem das árvores da pracinha e interrompe o silêncio da manhã com um coro de diversas vozes. Destaque para o meu amigo bem-te-vi.

Um vizinho passeou bem cedo com seu cachorro, carregando aquele saquinho plástico fatídico nas mãos. Investigaram, juntos, cada árvore da vizinhança.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, mantive o olhar na parede da varanda, no estilo dos zendo dos mosteiros zen budistas, inspirado na releitura de “A lua numa gota de orvalho” com os escritos do mestre Dogen, em espacial as “Regras para o zazen“.

Encontrei no livro um haicai ainda não postado, parido em 22/12/2012, no alto da página 26, próximo a um parágrafo que fala sobre a intemporalidade de um momento:

momento presente
contém todo o tempo
aqui e agora…

Interrompi minhas reflexões, depois da meditação, para me preparar para atender duas clientes de Consultoria para elaboração de Plano de Negócio, ainda pela manhã. Na parte da tarde, a prioridade é para a celebração do aniversário da minha filha mais nova. Almoço em família com a presença de seus amigos e amigas mais próximos, ao ar livre. Espero que o tempo colabore.

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Quadrante sudeste

Quadrante sudoeste

Vestígios da chuva da madrugada