Percepção 34 – Manhã de 08/04/2013

O dia amanheceu com céu claro e poucas nuvens. Folhas secas das árvores da pracinha caíram na rua e nas calçadas conferindo um leve tom outonal à cena urbana. A paisagem foi mudando aos poucos nas primeiras horas de claridade. Inicialmente céu parcialmente nublado no quadrante sudeste e bem mais limpo nos quadrantes sul e sudoeste. O vento fraco de sudoeste foi limpando o céu progressivamente e trazendo um azul sem nuvens por todos os lados. Temperatura de 24,7C, às seis e dezessete dessa vigésima manhã de outono.

A passarada esteve animada trazendo seus vários cantos e trinados aos primeiros raios de sol, com dois bem-te-vis se destacando com seu canto estridente a partir da antena de TV.

O entregador de jornais já fez sua entrega e manchetes sempre preocupantes e sensacionalistas aguardam pelo meu corte implacável. Risco de racionamento de energia? Pode ser… Dieta de notícia neles. Só bem-tudo-vejo aquilo que me interessa de verdade.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, ouvindo o canto do bem-te-vi, inspiração para um breve haicai:

bem-te-vi alheio
às notícias do jornal
só bem-tudo-vê…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas sequinhas

Folhas secas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Bem-te-vis na TV

Jornais do dia

Manchetes do jornal

Percepção 33 – Manhã de 07/04/2013

O dia amanheceu parcialmente nublado e com as ruas e calçadas sequinhas. A paisagem foi mudando aos poucos nas primeiras horas de claridade. Inicialmente céu carregado em todos os quadrantes, mas o vento fraco de sudoeste foi espalhando as nuvens progressivamente trazendo trechos de céu azul. Temperatura de 25,6C, às seis e vinte e nove dessa décima nona manhã de outono.

A passarada esteve muito animada trazendo seus vários cantos e trinados aos primeiros raios de sol, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança. Meu amigo bem-te-vi foi clicado nas folhas do coqueiro. Muitos de seus amigos o acompanharam e fizeram grande algazarra na antena de TV. Eram mais de seis indivíduos e esvoaçaram por todas as árvores da pracinha. A rolinha assistiu a tudo de seu observatório na luminária, que é onde a cambaxirra também faz abrigo.

Uma moradora leu seu jornal no banco da pracinha, enquanto seu cão procurava chamar sua atenção… Ele explorou cada árvore e arbusto do jardim e correu atrás de rolinhas que se aventuraram passeando na grama, em busca de pequenos insetos.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, observando a dona e seu cão, inspiração para um breve haicai:

um olho no cão
e outro no jornal, na
manhã de outono.

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas sequinhas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Trechos de cáu azul a sudoeste

Trechos de céu azul ao sul

Bem-te-vi no coqueiro

Bem-te-vis na TV

Rolinha na luminária

Um olho no cão e outro no jornal

Percepção 32 – Manhã de 06/04/2013

O dia amanheceu parcialmente nublado e com as ruas e calçadas molhadas. Algumas poças d´água persistiam apesar da chuva ter parado há muito tempo, durante a madrugada. A paisagem mudou várias vezes nas primeiras horas de claridade. Inicialmente nebulosidade moderada nos quadrantes sudeste e sul e nuvens mais carregadas no quadrante sudoeste. Mas o vento forte de sudoeste foi limpando o céu progressivamente e as nuvens cinzentas foram substituídas por nuvens cor de rosa e brancas, de todos os tipos e em vários níveis de altitude. Temperatura de 25,6C, às cinco e cinquenta e cinco dessa décima oitava manhã de outono.

A passarada esteve muito animada trazendo seus vários cantos e trinados aos primeiros raios de sol, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança. Meu amigo bem-te-vi se aproximou bastante e foi clicado no galho mais alto da amendoeira. Azulões e cambaxirras disputaram espaço e se alternaram nas folhagens do coqueiro.

Um cão e seu dono fizeram brincadeiras com uma bolinha, que era lançada e alegremente trazida de volta, recuperada do meio das folhagens da pracinha. Tanto um quanto o outro aproveitaram a manhã para dedicar toda a atenção que podiam um ao outro e àquela atividade.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões com a leitura de “Zen no trabalho”, alguns parágrafos chamaram minha atenção: “Quando tratamos alguém com indiferença, achamos que já sabemos tudo o que temos de saber sobre ele, que não há nada novo, que não é mais necessário lhe dar muita atenção… Começamos a tratar as coisas e pessoas com indiferença quando nós mesmos nos tratamos com indiferença.”

Inspiração para um breve haicai:

indiferença…
morremos por dentro… ah!
nada de novo…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua  e calçadas molhadas

Quadrante sudeste 1

Quadrante sudeste 2

Quadrante sudeste 3

Ao sul do céu 1

Ao sul do céu 2

Ao sul do céu 3

Ao sul do céu 4

Quadrante sudoeste 1

Quadrante sudoeste 2

Quadrante sudoeste 3

Quadrante sudoeste 4

Nuvens de altitude 1

Nuvens de altitude 2

Bem-te-vi na amendoeira 1

Bem-te-vi na amendoeira 2

Cadê a bolinha?

Percepção 31 – Manhã de 05/04/2013

O dia amanheceu nublado e com as ruas e calçadas sequinhas. A paisagem era a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu encoberto em todo o horizonte, e vento fraco do quadrante sudoeste. Temperatura de 25,5C, às seis e nove dessa décima sétima manhã de outono.

A passarada deu sinal com vários cantos e trinados, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança. Meu amigo bem-te-vi se aproximou bastante e apresentei as minhas boas-vindas ao seu canto estridente. Bom dia! Um gavião enorme foi clicado, quase invisível que estava, com sua camuflagem natural contra as folhas do galho mais alto da mangueira.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões a inspiração para um breve haicai:

em transformação,
a fonte de tudo… ah!
momento presente!

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Piso seco

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Gavião camuflado

Percepção 27 – Manhã de 01/04/2013

O dia amanheceu sem nuvens e com as ruas e calçadas quase completamente secas, depois de uma madrugada de outono. A paisagem era a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu azul, praticamente sem nuvens, e vento fraco do quadrante sudoeste. Temperatura de 23,8C, às seis e dez dessa décima terceira manhã de outono.

Bandos de aves aquáticas e grupos de andorinhas cruzaram o céu desde as primeiras horas da manhã. E o entregador de jornais já deixou a sua carga de informações na entrada do edifício, enquanto os dois ônibus escolares passaram para recolher suas crianças sonolentas, quase ao mesmo tempo.

A passarada deu as boas vindas ao céu claro e aos primeiros raios de sol. Vários cantos e trinados, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança. Cambaxirra espevitada no coqueiro e meu amigo bem-te-vi novamente levou seu canto mais para longe.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, que hoje foram sobre uma resposta que recebi de uma consulta ao I Ching, inspiração para um breve haicai:

ver claramente
e agir prontamente
cria destinos

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Aves em formação

O jornal já chegou!

Cambaxirra espevitada

Percepção 19 – Manhã de 25/03/2013

Mais uma madrugada chuvosa… O dia amanheceu nublado e com as ruas e calçadas molhadas, mas menos do que ontem. Sinal de que a chuva já parou há muitas horas. Só poucas poças d´água ainda persistem, refletindo o céu nublado e as folhagens do coqueiro. A paisagem é a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu carregado de nuvens e quase nenhuma brisa. Mas podemos ver pequenos trechos de céu azul por trás da grossa camada de nebulosidade. Temperatura de 24,5C, às seis e vinte e três dessa sexta manhã de outono.

A passarada, a exemplo da manhã de ontem, está muito discreta. Cantos e trinados distantes, dos telhados da vizinhança. Um gavião em voo rasante me esclarece o motivo desse afastamento. Só uma rolinha silenciosa se aproxima da varanda e pousa na luminária da pracinha, enquanto uma ave aquática cruza solitária o céu da manhã. Ouço meu amigo bem-te-vi à distância. Seja bem-vindo!

Enquanto os primeiros raios de sol iluminam as copas das árvores, observo o breve espaço entre dois pensamentos…

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave nas folhagens quase sem movimento, pela brisa muito suave. Da leitura e reflexões de “Zen no trabalho”, inspiração para um breve haicai:

o não-pensar é
algo muito sutil… é
pensar não-pensar…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Reflexos na poça d´água

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Vestígios de céu azul

Rolinha na luminária

Voo solitário

Sol nas copas das árvores

Percepção 5 – Manhã de 13/03/2013

O dia amanhece com bastante nebulosidade, depois de outra noite abafada, com quase nenhuma brisa. Temperatura de 26,8C, às seis e dezesseis da manhã. O sol aparece, refletido na cerâmica da fachada de um edifício… E no céu matinal, apenas um azul ainda pálido.

Pouco movimento da passarada, neste início de manhã. Meu amigo bem-te-vi não deu as caras. Só ouvi o seu canto, distante, em algum telhado da vizinhança. Percebi, depois, que um gato rondava a pracinha, com instinto caçador, atrás de qualquer coisa que se movesse sobre a grama.

Enquanto isso, nuvens de algodão, de doces lembranças, mudaram de forma diversas vezes no período de uma hora… Aves em formação cruzaram o céu em várias direções… Para onde irão?

Durante a meditação da manhã, usei como mantra a poesia delicada de Paulo Leminsky, que postei em outro Blog, em fevereiro de 2006, na Garrafa 6:

nuvens brancas
passam
em brancas nuvens

Na releitura de “Zen no trabalho“, de Les Kaye, minha atenção foi despertada por algumas palavras do Preâmbulo: “O objetivo do Zen não é conceber e implantar mudanças nas circunstâncias da vida.” Nas nuvens que passam, fora de nosso controle, pensei comigo mesmo… “É avançar até um ponto em que se pode encarar criativamente cada circunstância, seja qual for.”

Com essa inspiração e intenção para minhas atividades do dia de hoje, fiz uma pausa para um breve haicai:

sejam quais forem,
as minhas circunstâncias,
Ser criativo!

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Sol na fachada

Instinto felino

Aves em formação