Percepção 13 – Manhã de 19/03/2013

A chuva intermitente, que persistiu durante o dia e a noite de ontem, se estendeu pela madrugada. E o dia amanheceu com as ruas e calçadas molhadas. A grade e o parapeito da varanda apresentam um delicado mosaico de gotas de chuva e grãos de poeira. A paisagem é a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Nuvens cinzentas por toda parte e um vento fraco, agitando as copas das árvores, indicando que a frente fria permanece e teremos um dia com grande nebulosidade e alguma chuva. Temperatura de 22,6C, às seis e dez da manhã, a mais baixa das últimas semanas.

O entregador de jornal, em sua bicicleta, driblando as poças d´água, protege sua carga perecível com plástico transparente e a atira com precisão nos degraus da entrada do prédio. Nosso porteiro irá recolhê-la, em breve, e trazer as manchetes, normalmente de teor preocupante, até a minha porta. Oportunidade para praticar uma “Dieta de Notícias” e filtrar só o que me interessa e faz bem para o espírito.

A passarada, com o vento fraco, afirma sua presença com alegre cantoria. Meu amigo bem-te-vi, que ontem só apareceu mais tarde, já assinou o seu cartão de ponto bem cedo e observa o mundo empoleirado em uma antena de TV e, depois, no galho mais alto da mangueira.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave nas folhagens em leve movimento, em sincronia com o vento fraco. Da leitura e reflexões do I Ching, que retomei a partir das cinco da manhã, quando não consegui mais conciliar o sono, inspiração para um breve haicai:

aquele que, bem
sabe o que procura,
pode encontrar…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Grade molhada

Parapeito molhado

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Entregador de jornais

Bem-te-vi na TV

Bem-te-vi na mangueira

Percepção 12 – Manhã de 18/03/2013

A chuva forte que despencou no início da noite de ontem se estendeu, mais fraca, pela madrugada. E o dia amanheceu com as ruas e calçadas molhadas. Reflexos das árvores nas poças d´água me lembram da metáfora da “lua numa gota de orvalho”, tão cara ao mestre Dogen. Céu nublado, carregado de nuvens cinzentas. A paisagem é a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Um vento forte agita as copas das árvores indicando que a frente fria chegou e teremos um dia com grande nebulosidade e alguma chuva. Temperatura de 24,9C, às seis e vinte e nove da manhã.

Os guarda-chuvas de prontidão se animam na varanda, disputando qual deles será o primeiro a ser escolhido. O marrom, o azul, o branco?

A passarada, com a ventania, canta de maneira mais discreta. Meu amigo bem-te-vi se recolheu e outros pássaros me apresentam suas boas-vindas.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave nas folhagens em movimento com a ventania. Da leitura e reflexões dos escritos do mestre Dogen, a inspiração para um breve haicai:

um ser-do-tempo…
o tempo em si mesmo
é um ser: tempo!

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Reflexos

Aguardando a chuva