Percepção 30 – Manhã de 04/04/2013

O dia amanheceu parcialmente nublado e com as ruas e calçadas ainda molhadas pelas chuvas que caíram na noite de ontem. Não choveu de madrugada, mas algumas poças d´água ainda persistem. As luzes da pracinha ainda estavam acesas um pouco antes das seis da manhã. A paisagem era a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu parcialmente encoberto na direção do mar, em todo o horizonte, e vento fraco do quadrante sudoeste. Nuves cor de rosa faziam um belo contraste com o azul do céu. Prenúncio de um dia de bom tempo. Temperatura de 24,5C, às cinco e cinquenta e quatro dessa décima sexta manhã de outono.

Bandos de aves aquáticas e grupos de andorinhas voltaram a cruzar o céu desde as primeiras horas da manhã e os dois ônibus escolares já passaram para buscar suas crianças sonolentas.

A passarada deu as boas vindas aos trechos de céu claro e aos primeiros raios de sol. Vários cantos e trinados, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança, com destaque para meu amigo bem-te-vi que foi o primeiro a se manifestar. Apresentei as minhas boas-vindas quando ele pousou em uma antena de TV. Bom dia!

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões com a leitura de “Zen no trabalho”, alguns parágrafos chamaram minha atenção. “A vida deve ser como um rio que jamais se separa da fonte. Se o rio se separa da fonte, não há mais rio, pois a fonte não é uma coisa estática. A fonte é o próprio fluxo. Se um rio ou um lago esquece a sua fonte, fica estagnado e seca.”

Inspiração para um breve haicai:

estado de fluxo
na nascente do rio…
fonte de vida!

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas molhadas

Luzes acesas na pracinha

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Nuvens cor de rosa

Bem-te-vi na antena

Anúncios

Percepção 27 – Manhã de 01/04/2013

O dia amanheceu sem nuvens e com as ruas e calçadas quase completamente secas, depois de uma madrugada de outono. A paisagem era a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu azul, praticamente sem nuvens, e vento fraco do quadrante sudoeste. Temperatura de 23,8C, às seis e dez dessa décima terceira manhã de outono.

Bandos de aves aquáticas e grupos de andorinhas cruzaram o céu desde as primeiras horas da manhã. E o entregador de jornais já deixou a sua carga de informações na entrada do edifício, enquanto os dois ônibus escolares passaram para recolher suas crianças sonolentas, quase ao mesmo tempo.

A passarada deu as boas vindas ao céu claro e aos primeiros raios de sol. Vários cantos e trinados, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança. Cambaxirra espevitada no coqueiro e meu amigo bem-te-vi novamente levou seu canto mais para longe.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, que hoje foram sobre uma resposta que recebi de uma consulta ao I Ching, inspiração para um breve haicai:

ver claramente
e agir prontamente
cria destinos

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Aves em formação

O jornal já chegou!

Cambaxirra espevitada

Percepção 25 – Manhã de 30/03/2013

O dia amanheceu com grande nebulosidade e com as ruas e calçadas sequinhas. A chuva leve que caiu no final da noite não se estendeu pela madrugada. A paisagem era a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu coberto com um tapete de nuvens que permitia ver trechos de céu azul e vento fraco do quadrante sudoeste. Temperatura de 23,5C, às seis e quarenta e cinco dessa décima primeira manhã de outono.

Apenas cerca de uma hora depois é que os primeiros raios de sol iluminaram as copas das árvores e a grama da pracinha, surgindo por trás da Pedra da Gávea e dos edifícios da vizinhança. É sempre motivo de alegria testemunhar esse momento e ver o verde das árvores e da grama ganhar vida, diante de nossos olhos.

A passarada esteve movimentada neste início de manhã. Vários cantos e trinados, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança. Cambaxirras, sabiás e andorinhas. Meu amigo bem-te-vi chegou cedo e apreciou a paisagem do galho mais alto do pinheiro. Seu canto forte ecoou várias vezes. Iiiiii! Beeeeem-te-viiiii! Apesar da minha forte conexão com essa criaturinha, desde que me mudei pra cá há alguns anos, ultimamente tenho procurado praticar o desapego desse meu amigo e do seu canto que me encanta. Tudo bem quando ele não vem ou não canta. Gosto de pensar que ele já está dentro de mim… E me encanto mesmo assim…

se eu mal-te-vi
sua falta não sinto
estou bem-te-vi

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, a sensação da brisa suave tocando meu rosto me traz a clara noção de que não se pode continuar tentando agarrar o que simplesmente não se pode ter. Inspiração para um breve haicai:

entre os dedos
não se pode agarrar…
a brisa do mar!

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas secas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Sol na copa das árvores

Raios de sol na pracinha

Bem-te-vi no pinheiro

Percepção 22 – Manhã de 28/03/2013

O dia amanheceu parcialmente nublado e com as ruas e calçadas molhadas. A chuva leve que caiu no final da noite se estendeu pela madrugada. Muitas poças d´água refletem trechos de céu azul e as folhagens da pracinha. A paisagem é a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu azul com algumas nuvens e vento forte do quadrante sudoeste. Temperatura de 23,7C, às sete horas dessa nona manhã de outono.

A passarada, com as rajadas de vento que agitam as copas das árvores, mais preocupada em manter seu equilíbrio entre as folhagens em movimento, está mais silenciosa nesta manhã. Cantos e trinados discretos. Meu amigo bem-te-vi foi para outra freguesia e ouço seu canto muito distante em algum telhado da vizinhança.

Protegidas do vento, junto comigo, as plantas observam a pracinha vazia e seu próprio reflexo nos vidros da varanda. Com as nuvens de chuva sendo levadas pra longe, parece que, finalmente, vamos poder aproveitar um dia típico de outono. A conferir o desenrolar da meteorologia, nas próximas horas.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave nos reflexos dos vasos de plantas nos vidros da varanda. Da leitura e reflexões de “Zen no trabalho”, inspiração para um breve haicai:

maior motivo,
nosso maior desejo…
a completude!

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Ruas e calçadas molhadas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Através dos vidros da varanda

Percepção 21 – Manhã de 27/03/2013

O dia amanheceu nublado e com as ruas e calçadas molhadas. A chuva leve que caiu no final da noite se estendeu pela madrugada. A paisagem é a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu carregado de nuvens e quase nenhuma brisa. Temperatura de 24,4C, às seis e trinta e oito dessa oitava manhã de outono.

A passarada voltou! Cantos e trinados por todos os lados, dos telhados da vizinhança às folhagens das árvores da pracinha. Meu amigo bem-te-vi foi clicado várias vezes nas antenas da vizinhança, na mangueira e no alto do pinheiro. Hoje, até as aves aquáticas romperam o céu e o silêncio. Sons estridentes no voo em formação.

Ninguém na pracinha para observar as orquídeas solitárias, agarradas aos troncos das árvores… Na varanda, uma jovem samambaia aproveita o frescor da manhã, em minha companhia.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave nos reflexos dos vasos de plantas nos vidros da varanda. Da leitura e reflexões de “Zen no trabalho”, inspiração para um breve haicai:

o meu trabalho,
continuação de algo…
ah! que não tem fim!

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Ruas e calçadas molhadas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Bem-te-vi no pinheiro

Bem-te-vi na mangueira

Aves aquáticas em formação

Pracinha vazia

Jovem samambaia

Percepção 18 – Manhã de 24/03/2013

Mais uma madrugada chuvosa… O dia amanheceu nublado e com as ruas e calçadas molhadas. As poças d´água refletem os automóveis e as folhagens das árvores da pracinha. A paisagem é a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu cinzento e quase nenhuma brisa. Temperatura de 25C, às seis e quarenta e nove dessa quinta manhã de outono.

A passarada, a exemplo da manhã de ontem, está silenciosa. Cantos e trinados emitidos com economia, do meio das folhagens. Meu amigo bem-te-vi não me abandona. Olá! Dormiu bem? Seja bem-vindo!

Desânimo de alguns, alegria de outros. No jardim da pracinha e nos vasos da vizinhança as plantas parecem agradecer pela chuva da madrugada. Vaidosas, orquídeas em festa admiram seu próprio reflexo no vidro da varanda.

Mais tarde, ainda pela manhã, tenho um encontro com uma árvore querida que foi brutalmente atacada em Copacabana, há algumas semanas. Alguns dos seus amigos, e entre eles me incluo, farão uma manifestação pacífica pela sua preservação. Cuidar do corpo é cuidar da mente. Cuidar da mente é cuidar do corpo. Farei um breve exame de corpo de delito, fotografando respeitosamente minha amiga mutilada, seu “corpo-mente”. E pretendo conhecer algumas pessoas de quem só tenho notícia pelas redes sociais. Amigos do Assacu da Pompeu Loureiro são meus amigos também.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave nas folhagens quase sem movimento, pela brisa muito suave. Da leitura e reflexões de “Zen no trabalho”, inspiração para um breve haicai:

cuidar do mundo,
cuidar do corpo-mente,
é cuidar de mim!

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Reflexos nas poças d´água

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Plantas da varanda

Orquídea na varanda

Percepção 17 – Manhã de 23/03/2013

Depois de mais uma madrugada chuvosa, o dia amanheceu nublado e com a promessa de mau tempo. A paisagem é a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu cinzento e quase nenhuma brisa. Ar parado no nível do mar. Temperatura de 25,9C, às seis e quarenta e quatro dessa quarta manhã de outono.

A passarada está discreta. Cantos e trinados emitidos com economia. Como se a natureza hesitasse entre despertar e voltar a dormir, com o céu ainda escuro, ao início da manhã. Reflito sobre os ciclos de ascensão e declínio, de movimento e de inércia… Meu amigo bem-te-vi marca seu ponto. Seja bem-vindo!

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave nas folhagens quase sem movimento, pela brisa muito suave. Da leitura e reflexões do I Ching, inspiração para um breve haicai:

atividade
ascensão e declínio…
ah! e repouso!

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste