Percepção 55 – Manhã de 25/04/2013

O dia amanheceu com o céu claro e com as ruas e calçadas secas. Algumas nuvens de grande altitude, uma leve gaze branca, apenas no quadrante sudeste permitiam a visão do céu azul em todas as direções. Uma leve brisa podia ser percebida pelo movimento sutil na folhagem das amendoeiras. Temperatura de 20,4C, às seis e vinte quatro dessa trigésima sétima manhã de outono.

A passarada esteve muito agitada desde as primeiras horas de claridade. Diversos cantos e trinados vindos das copas das árvores e dos telhados da vizinhança em todas as direções. O canto do bem-te-vi, sempre o primeiro, foi ouvido bem de perto, enquanto se ocultava na folhagem do ipê. Nenhum clique dos meus amigos emplumados nessa manhã.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, após a leitura de “A Lua numa gota de orvalho” com os escritos do mestre Dogen, a inspiração para um breve haicai:

sempre na muda
sob o meu calcanhar
caminho de Buda…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas secas

Panoramica

Anúncios

Percepção 54 – Manhã de 24/04/2013

O dia amanheceu com o céu claro e com as ruas e calçadas secas. Algumas nuvens apenas no setor sul permitiam a visão do céu azul em todas as direções. Uma leve brisa podia ser percebida pelo movimento sutil na folhagem das amendoeiras. Temperatura de 20,6C, às seis e treze dessa trigésima sexta manhã de outono.

A passarada esteve muito agitada desde as primeiras horas de claridade. Cantos e trinados vindos das copas das árvores e dos telhados da vizinhança em todas as direções. O canto do bem-te-vi, sempre o primeiro, foi ouvido bem de perto, enquanto se ocultava na folhagem do algodoeiro. Nenhum clique dos meus amigos emplumados nessa manhã.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, após a leitura de “A Lua numa gota de orvalho” com os escritos do mestre Dogen, a inspiração para um breve haicai:

respeitosamente,
penetrar corpo e mente,
flecha sem alvo…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas secas

Panoramica

Percepção 53 – Manhã de 23/04/2013

O dia amanheceu com o céu encoberto e com as ruas e calçadas secas. Flocos de nuvens brancas em todos os quadrantes permitiam a visão de apenas pequenos trechos de céu azul. Uma leve brisa podia ser percebida pelo movimento sutil na folhagem das amendoeiras. Temperatura de 21,9C, às seis e quarenta e sete dessa trigésima quinta manhã de outono.

A passarada esteve muito agitada nas primeiras horas de claridade. Diversos cantos e trinados vindos das copas das árvores e dos telhados da vizinhança. O canto do bem-te-vi, sempre o primeiro, foi ouvido bem de perto, quando se aproximou e pousou nas folhas do coqueiro e mereceu alguns cliques. E uma pomba que andava sumida deu as caras na antena de TV de um telhado próximo.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, após a leitura de “A Lua numa gota de orvalho” com os escritos do mestre Dogen, um parágrafo chama minha atenção com o texto poético em que a vida é vista como continuação do nascimento, momento após momento, estando a pessoa com ela comprometida de modo ativo e criativo:

“O nascimento é exatamente como navegar num barco. Levantai as velas e remai […] navegai no barco e vosso navegar faz do barco o que ele é.”

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas secas

Panoramica

Bem-te-vi no coqueiro

Bem-te-vi no coqueiro 2

Pomba na antena de TV

Percepção 51 – Manhã de 21/04/2013

O dia amanheceu com o céu parcialmente encoberto e com as ruas e calçadas molhadas. A chuva leve que caiu durante a madrugada produziu poças d´água que ainda refletiam pequenos trechos de céu azul entre flocos de nuvens brancas e as árvores da pracinha nesse início de manhã. No quadrante sudoeste as nuvens já eram bem mais raras predominando o céu claro. Uma leve brisa podia ser percebida pelo movimento sutil na folhagem das amendoeiras. Temperatura de 22,3C, às seis e quarenta e nove dessa trigésima terceira manhã de outono.

As plantas da varanda e do jardim da pracinha aproveitavam a fresca humidade deixada pelo orvalho da madrugada, preparando-se para enfrentar o aumento de temperatura previsto para o resto do dia. A azaleia, em especial, mostrava orgulhosa sua floração cor de rosa. A vegetação se adapta a cada estação, seja inverno, seja verão…

A passarada esteve muito discreta nas primeiras horas de claridade. Só alguns cantos e trinados distantes. O canto do bem-te-vi, sempre o primeiro, foi ouvido ao longe e apenas as agitadas cambaxirras se aproximaram da varanda. Nenhum clique dos meus amigos emplumados nessa manhã.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, após a leitura de “A Lua numa gota de orvalho” com os escritos do mestre Dogen, buscando o melhor ajuste para as mudanças de temperatura ao início da manhã, inspiração para um breve haicai:

quente no inverno,
almofada do Buda,
fresca no verão…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Poças d´água

Reflexos nas poças

Close da poça d´água

Setor sulsudoeste

Panoramica

Plantas da varanda

Percepção 49 – Manhã de 20/04/2013

O dia amanheceu com o céu parcialmente encoberto e com as ruas e calçadas molhadas. A chuva forte que caiu durante a madrugada produziu poças d´água que ainda refletiam o céu cinzento e as árvores da pracinha nesse início de manhã. Uma leve brisa podia ser percebida pelo movimento sutil na folhagem das amendoeiras. Temperatura de 21,9C, às seis e cinquenta e oito dessa trigésima segunda manhã de outono.

A passarada esteve muito discreta nas primeiras horas de claridade. Só alguns cantos e trinados distantes. O canto do bem-te-vi, sempre o primeiro, foi ouvido ao longe e apenas as agitadas cambaxirras se aproximaram da varanda. Consegui um clique do bem-te-vi quando ele observou a pracinha do ponto mais alto da mangueira.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, após a leitura de “A Lua numa gota de orvalho” com os escritos do mestre Dogen, inspiração para um breve haicai:

não pensar no bem,
em total abandono,
não pensar no mal…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas molhadas

Reflexos na poça d´água

Reflexos na poça

Quadrante sudeste

Setor sulsudeste

Setor sulsudoeste

Quadrante sudoeste

Panoramica

Bem-te-vi na mangueira

Percepção 37 – Manhã de 11/04/2013

O dia amanheceu novamente com o céu carregado de nuvens cinzentas, mas com as ruas e calçadas sequinhas. Mais uma madrugada sem chuva. Como tem acontecido nos últimos dias, a paisagem foi mudando aos poucos nas primeiras horas de claridade. Inicialmente céu completamente nublado em todos os quadrantes. O vento moderado de sudoeste foi limpando o céu progressivamente e reduzindo a cobertura de nuvens baixas. As nuvens cinzentas foram substituídas por nuvens brancas e grandes trechos de céu azul surgiram por todos os lados. Temperatura de 24,6C, às seis e trinta e seis dessa vigésima terceira manhã de outono.

A passarada esteve muito silenciosa. Só alguns poucos cantos e trinados distantes, nos telhados da vizinhança. O canto do bem-te-vi, sempre o primeiro, só foi ouvido ao longe e pude avistá-lo em uma antena de TV. Um beija-flor azul marinho foi quem se aproximou e pousou na fiação da rua. Desapareceu da minha vista tão rapidamente quanto surgiu.

Correntes térmicas fizeram com que muitas aves pairassem em círculos a grande altitude, às vezes desaparecendo dentro das nuvens. Gaivotas, outras aves aquáticas e urubus economizaram energia enquanto apreciavam a paisagem do alto da manhã.

Um gavião sobrevoou as árvores próximas várias vezes justificando o sumiço da passarinhada. E um gato caçador patrulhou a grama e as folhagens da pracinha. Testemunhei, com espanto, quando ele capturou uma rolinha, em um pequeno arbusto, no terreno ao lado, em início de obras para dar lugar a um novo edifício.

Várias folhas secas se desprenderam das amendoeiras, movidas pela brisa da manhã, enquanto observava a paisagem.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, acompanhando o voo cego das folhas secas, inspiração para um breve haicai:

com desapego
se lançam no espaço
as folhas secas

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas secas

Quadrante sudeste antes

Quadrante sudeste depois

Ao sul do céu antes

Ao sul do céu depois

Quadrante sudoeste antes

Quadrante sudoeste depois

Bem-te-vi na TV

Gato caçador

Folhas secas

Percepção 36 – Manhã de 10/04/2013

O dia amanheceu novamente com o céu carregado de nuvens cinzentas, mas com as ruas e calçadas sequinhas. Sem chuva durante a madrugada. A paisagem foi mudando aos poucos nas primeiras horas de claridade. Inicialmente céu completamente nublado no quadrante sudeste e com trechos de céu azul começando a aparecer nos quadrantes sul e sudoeste. O vento moderado de sudoeste foi limpando o céu progressivamente e reduzindo a cobertura de nuvens baixas. Temperatura de 25,4C, às seis e trinta e seis dessa vigésima segunda manhã de outono.

A passarada esteve muito animada trazendo seus vários cantos e trinados aos primeiros raios de sol acima das nuvens. Grupos de cambaxirras e de andorinhas se encarregaram de organizar sua algazarra matinal. E o canto estridente do meu amigo bem-te-vi, sempre o primeiro, anunciou o novo dia. Sua aproximação curiosa permitiu vários cliques. Primeiro, no alto do pinheiro, e depois, nas folhas do coqueiro e no poste da pracinha. Dessa vez, vi quando ele hesitou e pousou no parapeito da varanda do andar de baixo, ao invés da minha.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, ouvindo o canto do bem-te-vi, inspiração para um breve haicai:

performático,
o canto do bem-te-vi
é lusófono…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas

Rua e calçadas 2

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Camadas de nuvens

Bem-te-vi no pinheiro

Bem-te-vi no coqueiro

Bem-te-vi no poste