Percepção 14 – Manhã de 20/03/2013

A chuva intermitente, que se iniciou na noite de ontem, se estendeu pela madrugada. E o dia amanheceu novamente com as ruas e calçadas molhadas, mas com menos poças d´água do que ontem. O parapeito da varanda apresentava apenas algumas gotas de chuva, no momento em que um vizinho saía para o trabalho. A paisagem é a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Nuvens cinzentas por toda parte e nenhuma brisa, ar parado no nível do mar. Nuvens de altitude movem-se, lentamente, de leste para oeste. Prognóstico de mais um dia com grande nebulosidade, tarde abafada e possibilidade de chuva fraca. Temperatura de 22,8C, às seis e quatorze dessa primeira manhã de outono, estação que começa a partir das oito horas e quatro minutos segundo os especialistas.

O outono é uma das minhas épocas preferidas do ano, junto com a primavera. Temperaturas amenas e céu claro, em grande parte do dia e da noite. Que assim seja!

A passarada, com ausência de brisa, advinha o tempo do alto das árvores e conversa com a Natureza em sua linguagem sonora. Meu amigo bem-te-vi chegou bem cedo e me observa à distância, do alto da amendoeira. Seu canto me encanta. Um pássaro bem pequeno de cor marrom escuro e trinado complexo, cujo nome ainda desconheço, faz sua casa na luminária da pracinha. Observo que entra e sai, com sua companheira, várias vezes durante as primeiras horas da manhã. Haverá algum filhote lá dentro?

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave nas folhagens sem movimento, pela ausência de vento. Da leitura e reflexões do I Ching, que retomei a partir de ontem, inspiração para um breve haicai:

o que responde
não é senão aquele
que se pergunta…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Parapeito molhado

Saindo para o trabalho

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Bem-te-vi na amendoeira

Ninho na luminária

Anúncios

Percepção 13 – Manhã de 19/03/2013

A chuva intermitente, que persistiu durante o dia e a noite de ontem, se estendeu pela madrugada. E o dia amanheceu com as ruas e calçadas molhadas. A grade e o parapeito da varanda apresentam um delicado mosaico de gotas de chuva e grãos de poeira. A paisagem é a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Nuvens cinzentas por toda parte e um vento fraco, agitando as copas das árvores, indicando que a frente fria permanece e teremos um dia com grande nebulosidade e alguma chuva. Temperatura de 22,6C, às seis e dez da manhã, a mais baixa das últimas semanas.

O entregador de jornal, em sua bicicleta, driblando as poças d´água, protege sua carga perecível com plástico transparente e a atira com precisão nos degraus da entrada do prédio. Nosso porteiro irá recolhê-la, em breve, e trazer as manchetes, normalmente de teor preocupante, até a minha porta. Oportunidade para praticar uma “Dieta de Notícias” e filtrar só o que me interessa e faz bem para o espírito.

A passarada, com o vento fraco, afirma sua presença com alegre cantoria. Meu amigo bem-te-vi, que ontem só apareceu mais tarde, já assinou o seu cartão de ponto bem cedo e observa o mundo empoleirado em uma antena de TV e, depois, no galho mais alto da mangueira.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave nas folhagens em leve movimento, em sincronia com o vento fraco. Da leitura e reflexões do I Ching, que retomei a partir das cinco da manhã, quando não consegui mais conciliar o sono, inspiração para um breve haicai:

aquele que, bem
sabe o que procura,
pode encontrar…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Grade molhada

Parapeito molhado

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Entregador de jornais

Bem-te-vi na TV

Bem-te-vi na mangueira

Percepção 8 – Manhã de 14/03/2013

Depois de uma noite chuvosa, o dia amanhece com nuvens cinzentas e com as ruas e calçadas molhadas. Temperatura de 25,7C, às seis e dez da manhã.

Passarada abrigada e silenciosa, enquanto durou a chuva fininha, desde o final da madrugada. Meu amigo bem-te-vi apareceu, logo depois das sete da manhã, durante uma breve trégua da chuva intermitente. Seu canto estridente sempre me alegra.

Na meditação de hoje, depois de observar longamente os pingos de chuva nas poças d´água da rua, usei como mantra o delicado haicai de Alice Ruiz:

chuva no lago
cada gota
um lago novo

E a chuva voltou a cair mais forte, a partir das sete e quarenta.

Hora de iniciar meus trabalhos programados para o dia de hoje. Antes disso, rabisquei no bloco de notas:

canto estridente!
chuva intermitente,
só um bem-te-vi…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Ruas e calçadas molhadas

Nuvens carregadas

Pingos de chuva