Percepção 37 – Manhã de 11/04/2013

O dia amanheceu novamente com o céu carregado de nuvens cinzentas, mas com as ruas e calçadas sequinhas. Mais uma madrugada sem chuva. Como tem acontecido nos últimos dias, a paisagem foi mudando aos poucos nas primeiras horas de claridade. Inicialmente céu completamente nublado em todos os quadrantes. O vento moderado de sudoeste foi limpando o céu progressivamente e reduzindo a cobertura de nuvens baixas. As nuvens cinzentas foram substituídas por nuvens brancas e grandes trechos de céu azul surgiram por todos os lados. Temperatura de 24,6C, às seis e trinta e seis dessa vigésima terceira manhã de outono.

A passarada esteve muito silenciosa. Só alguns poucos cantos e trinados distantes, nos telhados da vizinhança. O canto do bem-te-vi, sempre o primeiro, só foi ouvido ao longe e pude avistá-lo em uma antena de TV. Um beija-flor azul marinho foi quem se aproximou e pousou na fiação da rua. Desapareceu da minha vista tão rapidamente quanto surgiu.

Correntes térmicas fizeram com que muitas aves pairassem em círculos a grande altitude, às vezes desaparecendo dentro das nuvens. Gaivotas, outras aves aquáticas e urubus economizaram energia enquanto apreciavam a paisagem do alto da manhã.

Um gavião sobrevoou as árvores próximas várias vezes justificando o sumiço da passarinhada. E um gato caçador patrulhou a grama e as folhagens da pracinha. Testemunhei, com espanto, quando ele capturou uma rolinha, em um pequeno arbusto, no terreno ao lado, em início de obras para dar lugar a um novo edifício.

Várias folhas secas se desprenderam das amendoeiras, movidas pela brisa da manhã, enquanto observava a paisagem.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, acompanhando o voo cego das folhas secas, inspiração para um breve haicai:

com desapego
se lançam no espaço
as folhas secas

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas secas

Quadrante sudeste antes

Quadrante sudeste depois

Ao sul do céu antes

Ao sul do céu depois

Quadrante sudoeste antes

Quadrante sudoeste depois

Bem-te-vi na TV

Gato caçador

Folhas secas

Percepção 36 – Manhã de 10/04/2013

O dia amanheceu novamente com o céu carregado de nuvens cinzentas, mas com as ruas e calçadas sequinhas. Sem chuva durante a madrugada. A paisagem foi mudando aos poucos nas primeiras horas de claridade. Inicialmente céu completamente nublado no quadrante sudeste e com trechos de céu azul começando a aparecer nos quadrantes sul e sudoeste. O vento moderado de sudoeste foi limpando o céu progressivamente e reduzindo a cobertura de nuvens baixas. Temperatura de 25,4C, às seis e trinta e seis dessa vigésima segunda manhã de outono.

A passarada esteve muito animada trazendo seus vários cantos e trinados aos primeiros raios de sol acima das nuvens. Grupos de cambaxirras e de andorinhas se encarregaram de organizar sua algazarra matinal. E o canto estridente do meu amigo bem-te-vi, sempre o primeiro, anunciou o novo dia. Sua aproximação curiosa permitiu vários cliques. Primeiro, no alto do pinheiro, e depois, nas folhas do coqueiro e no poste da pracinha. Dessa vez, vi quando ele hesitou e pousou no parapeito da varanda do andar de baixo, ao invés da minha.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, ouvindo o canto do bem-te-vi, inspiração para um breve haicai:

performático,
o canto do bem-te-vi
é lusófono…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas

Rua e calçadas 2

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Camadas de nuvens

Bem-te-vi no pinheiro

Bem-te-vi no coqueiro

Bem-te-vi no poste

Percepção 35 – Manhã de 09/04/2013

O dia amanheceu com céu carregado de nuvens cinzentas, mas com as ruas e calçadas sequinhas. Não choveu durante a madrugada. A paisagem foi mudando aos poucos nas primeiras horas de claridade. Inicialmente céu completamente nublado no quadrante sudeste e com trechos de céu azul começando a aparecer nos quadrantes sul e sudoeste. O vento moderado de sudoeste foi limpando o céu progressivamente e reduzindo a cobertura de nuvens baixas. Temperatura de 24,1C, às seis e dezenove dessa vigésima primeira manhã de outono.

A passarada esteve muito animada trazendo seus vários cantos e trinados aos primeiros raios de sol acima das nuvens. A algazarra das cambaxirras me transportou para diversos cenários da infância. Já meu amigo bem-te-vi iluminou o dia com seu canto estridente e se aproximou bastante nesta manhã. Consegui um bom clique quando ele estava nas folhas do coqueiro. Parece que está ficando cada vez mais confiante com a minha proximidade e presença e, pela primeira vez, pousou no parapeito da varanda, ficando quase ao alcance da mão! Mas não fui suficientemente rápido para obter um instantâneo desse momento. Trocamos um longo olhar de curiosidade e ele alçou voo novamente. Motivo de celebração.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, olho no olho com o bem-te-vi, inspiração para um breve haicai:

curiosidade
no olhar do bem-te-vi
quando bem-me-viu

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas sequinhas

Rua e calçadas secas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Trechos de céu azul

Bem-te-vi no coqueiro

Percepção 33 – Manhã de 07/04/2013

O dia amanheceu parcialmente nublado e com as ruas e calçadas sequinhas. A paisagem foi mudando aos poucos nas primeiras horas de claridade. Inicialmente céu carregado em todos os quadrantes, mas o vento fraco de sudoeste foi espalhando as nuvens progressivamente trazendo trechos de céu azul. Temperatura de 25,6C, às seis e vinte e nove dessa décima nona manhã de outono.

A passarada esteve muito animada trazendo seus vários cantos e trinados aos primeiros raios de sol, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança. Meu amigo bem-te-vi foi clicado nas folhas do coqueiro. Muitos de seus amigos o acompanharam e fizeram grande algazarra na antena de TV. Eram mais de seis indivíduos e esvoaçaram por todas as árvores da pracinha. A rolinha assistiu a tudo de seu observatório na luminária, que é onde a cambaxirra também faz abrigo.

Uma moradora leu seu jornal no banco da pracinha, enquanto seu cão procurava chamar sua atenção… Ele explorou cada árvore e arbusto do jardim e correu atrás de rolinhas que se aventuraram passeando na grama, em busca de pequenos insetos.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, observando a dona e seu cão, inspiração para um breve haicai:

um olho no cão
e outro no jornal, na
manhã de outono.

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas sequinhas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Trechos de cáu azul a sudoeste

Trechos de céu azul ao sul

Bem-te-vi no coqueiro

Bem-te-vis na TV

Rolinha na luminária

Um olho no cão e outro no jornal

Percepção 30 – Manhã de 04/04/2013

O dia amanheceu parcialmente nublado e com as ruas e calçadas ainda molhadas pelas chuvas que caíram na noite de ontem. Não choveu de madrugada, mas algumas poças d´água ainda persistem. As luzes da pracinha ainda estavam acesas um pouco antes das seis da manhã. A paisagem era a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu parcialmente encoberto na direção do mar, em todo o horizonte, e vento fraco do quadrante sudoeste. Nuves cor de rosa faziam um belo contraste com o azul do céu. Prenúncio de um dia de bom tempo. Temperatura de 24,5C, às cinco e cinquenta e quatro dessa décima sexta manhã de outono.

Bandos de aves aquáticas e grupos de andorinhas voltaram a cruzar o céu desde as primeiras horas da manhã e os dois ônibus escolares já passaram para buscar suas crianças sonolentas.

A passarada deu as boas vindas aos trechos de céu claro e aos primeiros raios de sol. Vários cantos e trinados, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança, com destaque para meu amigo bem-te-vi que foi o primeiro a se manifestar. Apresentei as minhas boas-vindas quando ele pousou em uma antena de TV. Bom dia!

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões com a leitura de “Zen no trabalho”, alguns parágrafos chamaram minha atenção. “A vida deve ser como um rio que jamais se separa da fonte. Se o rio se separa da fonte, não há mais rio, pois a fonte não é uma coisa estática. A fonte é o próprio fluxo. Se um rio ou um lago esquece a sua fonte, fica estagnado e seca.”

Inspiração para um breve haicai:

estado de fluxo
na nascente do rio…
fonte de vida!

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas molhadas

Luzes acesas na pracinha

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Nuvens cor de rosa

Bem-te-vi na antena

Percepção 28 – Manhã de 02/04/2013

O dia amanheceu sem nuvens e com as ruas e calçadas sequinhas. A paisagem era a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu azul, com poucas nuvens no quadrante sudeste, e vento fraco do quadrante sudoeste. Prenúncio de um dia de bom tempo. Temperatura de 24,5C, às seis e três dessa décima quarta manhã de outono.

Bandos de aves aquáticas e grupos de andorinhas voltaram a cruzar o céu desde as primeiras horas da manhã. E o entregador de jornais já deixou a sua carga de informações na entrada do edifício, desde as cinco e quarenta da manhã.

A passarada deu as boas vindas ao céu claro e aos primeiros raios de sol. Vários cantos e trinados, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança, com destaque para meu amigo bem-te-vi que é normalmente o primeiro a se manifestar. Seja bem-vindo!

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões com a leitura do I Ching, alguns parágrafos chamaram minha atenção. Na antiga China, situada no hemisfério norte, os governantes sentavam-se voltados para o sul, a região do sol, da luz, durante as audiências que concediam: “A posição externa simbolizava a atitude interna. Voltar-se para a luz significa voltar-se para o que permite ver e entender.”

Inspiração para um breve haicai:

entendimento…
voltar-nos para a luz
que o permite…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas sequinhas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Jornal matinal

Percepção 27 – Manhã de 01/04/2013

O dia amanheceu sem nuvens e com as ruas e calçadas quase completamente secas, depois de uma madrugada de outono. A paisagem era a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu azul, praticamente sem nuvens, e vento fraco do quadrante sudoeste. Temperatura de 23,8C, às seis e dez dessa décima terceira manhã de outono.

Bandos de aves aquáticas e grupos de andorinhas cruzaram o céu desde as primeiras horas da manhã. E o entregador de jornais já deixou a sua carga de informações na entrada do edifício, enquanto os dois ônibus escolares passaram para recolher suas crianças sonolentas, quase ao mesmo tempo.

A passarada deu as boas vindas ao céu claro e aos primeiros raios de sol. Vários cantos e trinados, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança. Cambaxirra espevitada no coqueiro e meu amigo bem-te-vi novamente levou seu canto mais para longe.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, que hoje foram sobre uma resposta que recebi de uma consulta ao I Ching, inspiração para um breve haicai:

ver claramente
e agir prontamente
cria destinos

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Aves em formação

O jornal já chegou!

Cambaxirra espevitada

Percepção 25 – Manhã de 30/03/2013

O dia amanheceu com grande nebulosidade e com as ruas e calçadas sequinhas. A chuva leve que caiu no final da noite não se estendeu pela madrugada. A paisagem era a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu coberto com um tapete de nuvens que permitia ver trechos de céu azul e vento fraco do quadrante sudoeste. Temperatura de 23,5C, às seis e quarenta e cinco dessa décima primeira manhã de outono.

Apenas cerca de uma hora depois é que os primeiros raios de sol iluminaram as copas das árvores e a grama da pracinha, surgindo por trás da Pedra da Gávea e dos edifícios da vizinhança. É sempre motivo de alegria testemunhar esse momento e ver o verde das árvores e da grama ganhar vida, diante de nossos olhos.

A passarada esteve movimentada neste início de manhã. Vários cantos e trinados, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança. Cambaxirras, sabiás e andorinhas. Meu amigo bem-te-vi chegou cedo e apreciou a paisagem do galho mais alto do pinheiro. Seu canto forte ecoou várias vezes. Iiiiii! Beeeeem-te-viiiii! Apesar da minha forte conexão com essa criaturinha, desde que me mudei pra cá há alguns anos, ultimamente tenho procurado praticar o desapego desse meu amigo e do seu canto que me encanta. Tudo bem quando ele não vem ou não canta. Gosto de pensar que ele já está dentro de mim… E me encanto mesmo assim…

se eu mal-te-vi
sua falta não sinto
estou bem-te-vi

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, a sensação da brisa suave tocando meu rosto me traz a clara noção de que não se pode continuar tentando agarrar o que simplesmente não se pode ter. Inspiração para um breve haicai:

entre os dedos
não se pode agarrar…
a brisa do mar!

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas secas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Sol na copa das árvores

Raios de sol na pracinha

Bem-te-vi no pinheiro

Percepção 24 – Manhã de 29/03/2013

O dia amanheceu novamente completamente nublado e com as ruas e calçadas molhadas. A chuva leve que caiu no final da noite se estendeu pela madrugada. Muitas poças d´água refletiam trechos de céu azul e as folhagens da pracinha. A paisagem era a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu cinzento e vento fraco do quadrante sudoeste. Temperatura de 22,9C, às seis e cinquenta e cinco dessa décima manhã de outono.

Cerca de uma hora depois, a nebulosidade se dissipou e o céu mostrou trechos de azul profundo, indicando um prognóstico de bom tempo ao longo do dia. Observei atentamente quando os primeiros raios de sol iluminaram as copas das árvores, fazendo a paisagem cinzenta explodir em verde clorofila. Meu coração agradecido pulsou sorridente.

A passarada esteve discreta neste início de manhã. Alguns cantos e trinados, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança. Meu amigo bem-te-vi se apresentou mais tarde e trouxe consigo um bando de amigos. Apreciou a paisagem do galho mais alto da mangueira, como costuma fazer quase todos os dias, antes de esvoaçar por sobre o seu território. Seu canto estridente sempre me inspira:

quebra o silêncio
o canto do bem-te-vi
manhã de outono

Vários pássaros caminharam tranquilamente pelo chão da pracinha, ruas e calçadas das redondezas, em busca de pequenos insetos. A rolinha, do seu observatório na luminária, planejou cuidadosamente seus movimentos, antes de alçar novos voos.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, um cão em particular chamou minha atenção. Parecia estar só, sem seu dono, e perambulou pelas ruas e calçadas molhadas. Seu pelo castanho fazia um belo contraste contra o asfalto, quando visto daqui de cima. Alheio ao calendário e do feriado da Semana Santa, vivia o seu dia de cão… Inspiração para um breve haicai:

são só o que são
sexta-feira da paixão
um dia de cão

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal
Vídeo: O canto e o comportamento do bem-te-vi

Registro de temperatura

Ruas e calçadas molhadas

Poças d´água

Reflexos na poça d´água

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Nuvens brancas e céu azul

Raios de sol na folhagem

Bem-te-vi na mangueira

Rolinha na luminária.

Em busca de água e comida

Percepção 23 – Manhã de outono

O vento que soprou nas primeiras horas do dia levou as nuvens de chuva pra longe e a manhã de outono surgiu radiante. Sol forte, céu azul e nuvens brancas em todos os quadrantes ensaiando seus passos de dança. Logo após o meio-dia, temperatura amena de 26C às doze e trinta.

Relendo um haicai do mestre Bashô, tudo a ver:

aka aka to hi wa tsurenaku mo aki no kaze

apesar do sol
ardendo sem compaixão,
o vento de outono.

Matsuo Bashô

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Passo de dança

Registro de temperatura