Percepção 50 – Tarde de 20/04/2013

O vento sudoeste levou para longe a nebulosidade presente durante a manhã, e a tarde foi nada menos que espetacular. Céu azul profundo, sem nuvens em todos os quadrantes. Brisa fresca roçando minha pele e temperatura de 24,0C às cinco e um dessa tarde de outono.

Meu amigo bem-te-vi se aproximou várias vezes da varanda e, de uma antena de TV, me encantou com seu canto, enquanto continuava a releitura de “A lua numa gota de orvalho” com os escritos do mestre Dogen. Em alguns momentos parecia a encarnação do pássaro mítico kalavinka…

Assisti à Sessão Philos TV com a apresentação do pianista Joaquín Achuro no Teatro Real de Madri, a partir das dezesseis horas. Brisa fresca roçando meus ouvidos. Simplesmente emocionante. Perto das dezoito horas, ao cair da noite, inspiração para um breve haicai.

brisa noturna
roçando meus ouvidos
bater de asas…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Panoramica da tarde

Bem-te-vi na TV

Anúncios

Percepção 24 – Manhã de 29/03/2013

O dia amanheceu novamente completamente nublado e com as ruas e calçadas molhadas. A chuva leve que caiu no final da noite se estendeu pela madrugada. Muitas poças d´água refletiam trechos de céu azul e as folhagens da pracinha. A paisagem era a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu cinzento e vento fraco do quadrante sudoeste. Temperatura de 22,9C, às seis e cinquenta e cinco dessa décima manhã de outono.

Cerca de uma hora depois, a nebulosidade se dissipou e o céu mostrou trechos de azul profundo, indicando um prognóstico de bom tempo ao longo do dia. Observei atentamente quando os primeiros raios de sol iluminaram as copas das árvores, fazendo a paisagem cinzenta explodir em verde clorofila. Meu coração agradecido pulsou sorridente.

A passarada esteve discreta neste início de manhã. Alguns cantos e trinados, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança. Meu amigo bem-te-vi se apresentou mais tarde e trouxe consigo um bando de amigos. Apreciou a paisagem do galho mais alto da mangueira, como costuma fazer quase todos os dias, antes de esvoaçar por sobre o seu território. Seu canto estridente sempre me inspira:

quebra o silêncio
o canto do bem-te-vi
manhã de outono

Vários pássaros caminharam tranquilamente pelo chão da pracinha, ruas e calçadas das redondezas, em busca de pequenos insetos. A rolinha, do seu observatório na luminária, planejou cuidadosamente seus movimentos, antes de alçar novos voos.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, um cão em particular chamou minha atenção. Parecia estar só, sem seu dono, e perambulou pelas ruas e calçadas molhadas. Seu pelo castanho fazia um belo contraste contra o asfalto, quando visto daqui de cima. Alheio ao calendário e do feriado da Semana Santa, vivia o seu dia de cão… Inspiração para um breve haicai:

são só o que são
sexta-feira da paixão
um dia de cão

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal
Vídeo: O canto e o comportamento do bem-te-vi

Registro de temperatura

Ruas e calçadas molhadas

Poças d´água

Reflexos na poça d´água

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Nuvens brancas e céu azul

Raios de sol na folhagem

Bem-te-vi na mangueira

Rolinha na luminária.

Em busca de água e comida