Percepção 63 – Amanhecer no mês de abril

Tenho registrado o amanhecer visto da minha varanda há várias semanas, às vezes antes e às vezes depois da meditação matinal. O horário das fotos varia, portanto, entre seis e oito horas da manhã. Registro o céu nos quadrantes sudeste, sul e sudoeste e às vezes monto fotos panoramicas dessa paisagem mutante.

Encerrado o mês de abril, fiz um pequeno vídeo, com as imagens do setor sudeste, mais próximo de onde o sol nasce, o que não posso avistar diretamente do meu observatório da varanda. Vejo apenas o sol refletido nas nuvens, na fachada de alguns edifícios e iluminando as árvores e o jardimda pracinha.

Compartilho com os amigos minha primeira experiência brincando com alguns recursos de criação e edição de vídeo, a partir de fotografias. Espero que apreciem.

Eduardo Leal
Vídeo de Eduardo Leal
Trilha sonora: O Healing Water com Marc Allen

Anúncios

Percepção 48 – Manhã de 19/04/2013

O dia amanheceu com o céu parcialmente nublado e com as ruas e calçadas sequinhas. Diversas nuvens em todos os quadrantes permitindo a visão de apenas alguns trechos de céu azul. Vento moderado de sudoeste, temperatura de 22,1C, às seis e vinte e seis dessa trigésima primeira manhã de outono.

A passarada trouxe seus cantos e trinados para perto da varanda e o bem-te-vi marcou presença ao longe. Bandos de andorinhas e cambaxirras alvoroçaram as copas das árvores da pracinha. Nenhum clique dos meus amigos emplumados nesta manhã.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, antes de sair de casa bem cedo para concluir um treinamento iniciado ontem, uma Oficina de Comunicação e Desenvolvimento Pessoal, em uma Universidade, no Rio de Janeiro, fiquei pensando em como gostaria que esse encontro se desse, com cada um dos participantes. E lembrei-me das palavras de Jacob Moreno:

“Um encontro de dois: olho no olho, cara a cara.
E quando estiveres próximo, tomarei teus olhos e os porei no lugar dos meus.
E tu tomarás meus olhos, e os porás no lugar dos teus.
E então, te olharei com teus olhos e me olharás com os meus.”

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas secas

Quadrante sudeste

Setor sulsudeste

Setor sulsudoeste

Quadrante sudoeste

Trechos de céu azul

Panoramica

Percepção 43 – Manhã de 15/04/2013

O dia amanheceu com o céu totalmente encoberto e ainda com as ruas e calçadas molhadas. A chuva forte que caiu em vários momentos durante o dia e noite de ontem produziu poças d´água que ainda refletiam o céu cinzento e as árvores da pracinha nesse início de manhã. Quase nenhuma brisa pela ausência de movimento na folhagem das amendoeiras, enquanto as luminárias ainda permaneciam acesas. Temperatura de 21,8C, às seis e dezesseis dessa vigésima sétima manhã de outono.

Só algumas fragatas cruzavam o céu acinzentado, em pequenos grupos e a baixa altitude, enquanto os dois ônibus escolares recolhiam suas crianças sonolentas e encasacadas.

A passarada esteve muito discreta desde cedo. Só alguns cantos e trinados distantes. Provavelmente preocupadas com questões relacionadas à paz mundial e ao futuro da humanidade, diante da possibilidade de detonação de artefatos nucleares no Oceano “Pacífico”, nenhuma pomba foi avistada nas antenas de TV das redondezas. O canto do bem-te-vi, sempre o primeiro, só foi ouvido ao longe e apenas as agitadas cambaxirras se aproximaram da varanda. Nenhum clique dos meus amigos emplumados nessa manhã.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, após a leitura de “A Lua numa gota de orvalho” com os escritos do mestre Dogen, inspiração para um breve haicai:

deixo o passado,
em busca do caminho,
deixo o futuro…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua  e calçadas molhadas

Rua e calçadas com folhas secas

Poças d´água

Luminária acesa

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Percepção 42 – Manhã de 14/04/2013

O dia amanheceu com o céu totalmente encoberto e com as ruas e calçadas molhadas. A chuva forte que caiu ao início da noite de ontem produziu poças d´água que ainda refletiam o céu cinzento e as árvores da pracinha nesse início de manhã. Quase nenhuma brisa pela ausência de movimento na folhagem das amendoeiras. Temperatura de 24,1C, às sete e quarenta e dois dessa vigésima sexta manhã de outono.

Só algumas fragatas voavam em pequenos grupos, a baixa altitude, contra o céu acinzentado enquanto as plantas da varanda e do jardim aproveitavam o ar húmido e fresco.

A passarada esteve muito discreta desde cedo. Só alguns cantos e trinados distantes. Nenhuma pomba avistada nas antenas de TV das redondezas. O canto do bem-te-vi, sempre o primeiro, só foi ouvido ao longe. Nenhum clique de sua aproximação, nessa manhã.

Pracinha vazia, somente um cão, sem seu dono, esfregou prazerosamente seu pelo na grama molhada do jardim. Tenho uma daquelas mãozinhas japonesas, de madeira, para coçar minhas costas onde a mão não alcança. Mas o melhor mesmo é quando alguém nos toca onde a pele anseia pelo toque. Nesses momentos, esqueço-me de mim…

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, após a leitura de “A Lua numa gota de orvalho” com os escritos do mestre Dogen, inspiração para um breve haicai:

esqueço de mim
nada disso é o eu
cá não há nenhum… (nem um…)

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas molhadas

Reflexos na poça d´água

Poça d´água

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Plantas da varanda

Cão com coceira

Percepção 34 – Manhã de 08/04/2013

O dia amanheceu com céu claro e poucas nuvens. Folhas secas das árvores da pracinha caíram na rua e nas calçadas conferindo um leve tom outonal à cena urbana. A paisagem foi mudando aos poucos nas primeiras horas de claridade. Inicialmente céu parcialmente nublado no quadrante sudeste e bem mais limpo nos quadrantes sul e sudoeste. O vento fraco de sudoeste foi limpando o céu progressivamente e trazendo um azul sem nuvens por todos os lados. Temperatura de 24,7C, às seis e dezessete dessa vigésima manhã de outono.

A passarada esteve animada trazendo seus vários cantos e trinados aos primeiros raios de sol, com dois bem-te-vis se destacando com seu canto estridente a partir da antena de TV.

O entregador de jornais já fez sua entrega e manchetes sempre preocupantes e sensacionalistas aguardam pelo meu corte implacável. Risco de racionamento de energia? Pode ser… Dieta de notícia neles. Só bem-tudo-vejo aquilo que me interessa de verdade.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, ouvindo o canto do bem-te-vi, inspiração para um breve haicai:

bem-te-vi alheio
às notícias do jornal
só bem-tudo-vê…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas sequinhas

Folhas secas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Bem-te-vis na TV

Jornais do dia

Manchetes do jornal

Percepção 33 – Manhã de 07/04/2013

O dia amanheceu parcialmente nublado e com as ruas e calçadas sequinhas. A paisagem foi mudando aos poucos nas primeiras horas de claridade. Inicialmente céu carregado em todos os quadrantes, mas o vento fraco de sudoeste foi espalhando as nuvens progressivamente trazendo trechos de céu azul. Temperatura de 25,6C, às seis e vinte e nove dessa décima nona manhã de outono.

A passarada esteve muito animada trazendo seus vários cantos e trinados aos primeiros raios de sol, aqui e acolá, por entre as folhagens e nos telhados da vizinhança. Meu amigo bem-te-vi foi clicado nas folhas do coqueiro. Muitos de seus amigos o acompanharam e fizeram grande algazarra na antena de TV. Eram mais de seis indivíduos e esvoaçaram por todas as árvores da pracinha. A rolinha assistiu a tudo de seu observatório na luminária, que é onde a cambaxirra também faz abrigo.

Uma moradora leu seu jornal no banco da pracinha, enquanto seu cão procurava chamar sua atenção… Ele explorou cada árvore e arbusto do jardim e correu atrás de rolinhas que se aventuraram passeando na grama, em busca de pequenos insetos.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, observando a dona e seu cão, inspiração para um breve haicai:

um olho no cão
e outro no jornal, na
manhã de outono.

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas sequinhas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Trechos de cáu azul a sudoeste

Trechos de céu azul ao sul

Bem-te-vi no coqueiro

Bem-te-vis na TV

Rolinha na luminária

Um olho no cão e outro no jornal

Percepção 21 – Manhã de 27/03/2013

O dia amanheceu nublado e com as ruas e calçadas molhadas. A chuva leve que caiu no final da noite se estendeu pela madrugada. A paisagem é a mesma tanto no quadrante sudeste quanto no sudoeste, passando pelo sul. Céu carregado de nuvens e quase nenhuma brisa. Temperatura de 24,4C, às seis e trinta e oito dessa oitava manhã de outono.

A passarada voltou! Cantos e trinados por todos os lados, dos telhados da vizinhança às folhagens das árvores da pracinha. Meu amigo bem-te-vi foi clicado várias vezes nas antenas da vizinhança, na mangueira e no alto do pinheiro. Hoje, até as aves aquáticas romperam o céu e o silêncio. Sons estridentes no voo em formação.

Ninguém na pracinha para observar as orquídeas solitárias, agarradas aos troncos das árvores… Na varanda, uma jovem samambaia aproveita o frescor da manhã, em minha companhia.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave nos reflexos dos vasos de plantas nos vidros da varanda. Da leitura e reflexões de “Zen no trabalho”, inspiração para um breve haicai:

o meu trabalho,
continuação de algo…
ah! que não tem fim!

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Ruas e calçadas molhadas

Quadrante sudeste

Ao sul do céu

Quadrante sudoeste

Bem-te-vi no pinheiro

Bem-te-vi na mangueira

Aves aquáticas em formação

Pracinha vazia

Jovem samambaia