Percepção 63 – Amanhecer no mês de abril

Tenho registrado o amanhecer visto da minha varanda há várias semanas, às vezes antes e às vezes depois da meditação matinal. O horário das fotos varia, portanto, entre seis e oito horas da manhã. Registro o céu nos quadrantes sudeste, sul e sudoeste e às vezes monto fotos panoramicas dessa paisagem mutante.

Encerrado o mês de abril, fiz um pequeno vídeo, com as imagens do setor sudeste, mais próximo de onde o sol nasce, o que não posso avistar diretamente do meu observatório da varanda. Vejo apenas o sol refletido nas nuvens, na fachada de alguns edifícios e iluminando as árvores e o jardimda pracinha.

Compartilho com os amigos minha primeira experiência brincando com alguns recursos de criação e edição de vídeo, a partir de fotografias. Espero que apreciem.

Eduardo Leal
Vídeo de Eduardo Leal
Trilha sonora: O Healing Water com Marc Allen

Anúncios

Percepção 62 – Manhã de 02/05/2013

O dia amanheceu com muito poucas nuvens no céu e com as ruas e calçadas sequinhas. Céu azul claro em todos os quadrantes com uma leve gaze branca de nuvens de altitude aqui e acolá. Uma leve brisa era percebida pelo movimento sutil na folhagem das árvores da pracinha. Temperatura de 22,5C, às sete e três dessa quadragésima quarta manhã de outono.

Diversos cantos e trinados vindos das copas das árvores e dos telhados da vizinhança em todas as direções. A passarada, como sempre acontece quando não está chovendo, fez grande algazarra desde as primeiras horas de claridade. Uma rolinha foi quem se equilibrou nos fios de iluminação e chegou mais perto da varanda nas primeiras horas do dia enquanto o canto do bem-te-vi, sempre o primeiro, foi ouvido das antenas dos telhados da vizinhança.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, após a leitura de “A lua numa gota de orvalho” com os escritos do mestre Dogen, um parágrafo chama minha atenção com uma visão holográfica do todo e parte:

“[…] há infindas formas e centenas de folhas de relva por toda a terra e, no entanto, cada folha de relva e cada forma em si mesma é a terra toda.”

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas sequinhas

Panoramica

Rolinha no fio

Percepção 61 – Manhã de 01/05/2013

O dia amanheceu novamente sem nenhuma nuvem no céu e com as ruas e calçadas sequinhas. Céu azul claro em todos os quadrantes percorrido apenas por algumas fragatas. Uma leve brisa era percebida pelo movimento sutil na folhagem das árvores da pracinha. Temperatura de 22,9C, às sete e quarenta e dois dessa quadragésima terceira manhã de outono.

A passarada, como sempre acontece quando não está chovendo, fez grande algazarra desde as primeiras horas de claridade. Diversos cantos e trinados vindos das copas das árvores e dos telhados da vizinhança em todas as direções. Uma rolinha foi quem ocupou o lugar cativo do bem-te-vi nas folhas do coqueiro. E o canto do meu amigo emplumado, sempre o primeiro, foi ouvido das antenas dos telhados da vizinhança.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, após tomar conhecimento da decisão do prefeito de suspender o apoio financeiro para a Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira – FOSB – e sua proposta, na contramão do desenvolvimento da cultura musical, de diminuição do número de orquestras sinfônicas na cidade, a inspiração para um breve haicai:

pelo prefeito,
em um dia perfeito,
pouco foi feito…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas sequinhas

Panoramica

O voo da fragata

Rolinha no coqueiro