Percepção 58 – Manhã de 28/04/2013

O dia amanheceu parcialmente nublado e com as ruas e calçadas secas. Um tapete de nuvens podia ser avistado movendo-se lentamente, permitindo a visão de pequenos trechos de céu azul claro. Uma leve brisa era percebida pelo movimento sutil na folhagem das árvores da pracinha. Temperatura de 21,6C, às sete e dez dessa quadragésima manhã de outono.

A passarada esteve como sempre muito agitada, desde as primeiras horas de claridade. Diversos cantos e trinados vindos das copas das árvores e dos telhados da vizinhança em todas as direções. Bandos de andorinhas sobrevoaram a pracinha e o canto do bem-te-vi, sempre o primeiro, foi ouvido bem de perto, do alto do pinheiro.

Nenhum dos meus amigos emplumados aventurou-se no chão da pracinha em busca de pequenos insetos nessa manhã. O gato que ronda a vizinhança patrulhou cada arbusto do jardim e automóvel estacionado, encontrando apenas algumas folhas secas das amendoeiras, enquanto a azaleia, vestida com suas melhores cores, assistia a tudo de seu observatório na varanda.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, após a releitura de “A lua numa gota de orvalho” com os escritos do mestre Dogen, apreciando os movimentos do gato caçador, a inspiração para um breve haicai:

gato caçador
encontra nos arbustos
só folhas secas…

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas secas

Panoramica

Bem-te-vi no pinheiro

Gato caçador

Azaleia

Anúncios

Percepção 57 – Manhã de 27/04/2013

O dia amanheceu com o céu claro e com as ruas e calçadas secas. Apenas poucas nuvens de grande altitude movendo-se lentamente, uma leve gaze branca muito esparsa em todos os quadrantes não impedia a visão do céu azul claro. Uma leve brisa podia ser percebida pelo movimento sutil na folhagem das árvores da pracinha. Temperatura de 21,0C, às sete e dez dessa trigésima nona manhã de outono.

A passarada, aproveitando mais um dia espetacular, esteve muito agitada desde as primeiras horas de claridade. Diversos cantos e trinados vindos das copas das árvores e dos telhados da vizinhança em todas as direções. O canto do bem-te-vi, sempre o primeiro, foi ouvido bem de perto, no meio da folhagem das amendoeiras. Nenhum clique dos meus amigos emplumados nessa manhã.

Na meditação de hoje, de olhos abertos, olhar suave na paisagem mutante, vista através dos vidros da varanda. Depois disso, durante o período de contemplação e reflexões, após a releitura de “A lua numa gota de orvalho” com os escritos do mestre Dogen, apreciando a lenta passagem das nuvens, a inspiração para um breve haicai:

mente de Buda
nem segura nem rejeita
seis nuvens brancas

Eduardo Leal
Fotos de Eduardo Leal

Registro de temperatura

Rua e calçadas secas

Panoramica